...

...
...

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Próximo encontro: 11 de maio de 2013


C O N V I T E

Ishtar - Espaço para Gestantes (Recife) convida para o próximo encontro do grupo, no dia 11/05/2013.

Este encontro é especial, será dedicado ao dia das mães!
Contaremos com a presença de mães participantes do Ishtar para contarem o relato da chegada de seus bebês!
Contamos com a sua presença para enriquecer o nosso debate!

Atenção: O Ishtar Recife convida os seus participantes para contribuir com o levantamento de fundos para colocar o documentário “O Renascimento do Parto” nos cinemas. Estaremos arrecadando doações no encontro deste sábado, qualquer valor é bem-vindo. Desde já agradecemos a todos que puderem colaborar! http://benfeitoria.com/o-renascimento-do-parto

Lembrando: Participe do BANCO DE VIDROS DO ISHTAR (parceria com o Grupo “Grávidas e Mamães do Recife” - Facebook). Uma iniciativa voluntária, que visa auxiliar as mulheres na manutenção da amamentação através de doações e empréstimo de vidros adequados ao armazenamento e pasteurização de leite materno.
Data:        11 de maio de 2013
Horário:    10:00 às 12:30
Local:       Auditório da Livraria Cultura Recife, Paço Alfândega, Bairro do Recife.

Mais informações:
(81) 92694187 tim - (81) 99427144 claro – (81) 88559284 oi

Ishtar News:

Maternidade ativa: mães para um mundo melhor


Era uma vez uma mulher que vivia sua vida de sempre quando, de repente, aconteceu: ficou grávida. Nessa história hipotética, pode ser que a gravidez tenha sido muito esperada e planejada. Ou pode ser que ela tenha acontecido sem qualquer planejamento. Surpresas ou planejamentos à parte, uma coisa é certa: essa mulher está se transformando. Uma transformação que vai além do físico e que é muito mais complexa e duradoura. Estamos falando de uma mudança de consciência, de atitude perante a vida, de postura, de mentalidade, de como nos vemos no mundo. Ter filhos é um convite irrecusável que a vida nos faz para aprender coisas que nunca aprenderíamos de outra maneira e a rever nossos próprios conceitos e posturas. Infelizmente, não são todas as mulheres-mães que aproveitam essa chance mágica de aprendizado, deixando escorrer por entre os dedos oportunidades insubstituíveis de fortalecimento, autoconhecimento e feminilidade, seja por comodismo, falta de estímulo ou de análise crítica. Mas isso não é assim tão condenável porque, afinal de contas, embora tenhamos nascido com óvulos e útero, ninguém nasceu sabendo ser mãe... Ser mãe é algo que se aprende enquanto somos.
Quando uma mulher descobre que está grávida, ela pode passar os nove meses da gestação e grande parte de sua experiência como mãe apenas reproduzindo o que ouviu do senso comum – mãe, avó, vizinha, amiga, sogra, jornais, televisão, novela, ou qualquer outra fonte de informação –, ou pode ir ativamente em busca de conhecimentos sobre como viver sua gravidez, como trazer seu filho ao mundo, como cuidar de uma nova vida, como ser mãe, como ser uma mulher-mãe e, nessa nova perspectiva, inserir os elementos do senso comum que se mostrem proveitosos aos seus próprios anseios e valores. Mães, avós, amigas, sogras, vizinhas e outras presenças constantes em nossas vidas têm dicas ótimas e preciosas que podem nos ajudar muito como mães. Mas são orientações geradas a partir de suas próprias experiências individuais e, portanto, não podem ser generalizadas ou tomadas como universais. Não é porque um comportamento deu certo para uma dupla mãe-filho que dará para outra. E, ainda assim, muitas insistem em, apenas, reproduzir comportamentos, ignorando uma incrível oportunidade de aprender coisas novas e – muitas vezes – positivas e transformadoras.
Quando nos descobrimos mães, um mundo de questões e dúvidas nos é apresentado: o que fazer quando se está grávida? Como encarar a gravidez? Como se preparar para o nascimento de um filho? Como eu quero trazer meu filho ao mundo? Quais são os tipos de parto que existem e quais os benefícios/prejuízos de cada um deles, tanto para meu filho quanto para mim? O que fazer após seu nascimento? Como agir com o bebê? Como saber se estamos fazendo a coisa certa? São alguns dos questionamentos que se iniciam ao saber que estamos esperando um bebê e que, dali por diante, estarão sempre presentes na vida de uma mãe. A mãe da historinha lá do início pode simplesmente deixar a coisa rolar, replicando comportamentos rotineiros, comuns e frequentes, que são mais feitos pelo automatismo e repetição que pela real reflexão sobre o assunto. Ela compra uma infinidade de coisas o enxoval do seu bebê, muitas das quais não sabe nem se realmente vai utilizar, porque, afinal, “todo mundo faz isso e todo mundo diz que precisa”. Mas a mãe da historinha também pode começar a se questionar sobre todas as escolhas. Pode aproveitar os meses de gestação para ler bastante, para se informar sobre quais as opções e possibilidades que existem nesse vasto mundo de receber um filho e seguir com ele vida a fora, pode questionar os profissionais que a estão atendendo se perceber que não compartilham de seus próprios valores. E aí, nesse caminho de novas e infinitas descobertas, ela passará a fazer perguntas que, de outra maneira, não poderia fazer. Será mesmo necessário comprar tanta coisa assim? Será que é isso que meu filho realmente precisa? É mesmo necessário ficar imóvel e passiva durante o meu parto? Eu preciso mesmo marcar data para que meu bebê nasça? Ela passará a questionar cada decisão, do material ao psicológico. Por que fazer assim? Por que fazer assado? Quem disse que assim é melhor? E por que essa pessoa acha que assim é melhor? Qual a consequência desse ou daquele modo de agir para a saúde emocional e física do meu filho? Qual a consequência desse modo de agir para mim e minha família? Que tipo de filho eu quero criar? Que tipo de mãe, afinal, eu quero ser? Essas são questões que só quem tem consciência do que realmente representa se tornar mãe ou pai consegue fazer. Questionar-se e questionar aos outros sobre as possibilidades que existem é ter consciência de que, se somos tão diferentes como pessoas, também devemos ter formas diferentes de viver, de criar nossos filhos, formas que nos tornem mais felizes, completas e realizadas como mulheres-mães.

Essa é a forma de maternar que se pretende para um mundo novo. Uma maternidade em que as mães sejam as responsáveis por suas escolhas, que vivam aquilo que escolheram por refletirem a respeito, sem viver somente as escolhas de outras pessoas. O que hoje buscamos é uma forma de ser mãe que liberte e fortaleça a mulher, que lhe dê autonomia, coragem e que fortaleça sua auto-estima, colocando-a como peça de mudança ativa no mundo. E que essa mulher, assim liberta, corajosa, autônoma e com a auto-estima em dia, tenha condições de criar filhos com base no respeito, apego, afeto e amor. Sem violência, qualquer que seja ela.
Vivemos numa época de resgate da consciência ecológica, por termos chegado a um ponto crítico em termos ambientais. E, pelo mesmo motivo, vivemos um resgate pela maternidade ativa, consciente, conectada, intuitiva, porque chegamos a um ponto humano também muito delicado. Se queremos um mundo melhor para nossos filhos, também queremos filhos melhores para nosso mundo. E isso passa, diretamente, por nossas escolhas enquanto mães.
Ser mãe é a chance insubstituível que a vida nos dá de fazer o que Gandhi, ícone da não violência, nos aconselhou.
Ser mãe é ter a chance de ser a mudança que queremos ver no mundo.

Um comentário:

Taah Santos disse...

OLÁ eu queria informaçoes de onde eu posso encontrar Doulas. Estou me deslocando todo mes de maceió á Recife para pre natal, é a minha primeira gestação, estou com PA alterada e todos fazem aquele medo sobre ter o parto normal. Eu nao quero abrir mao disto, quero ter meu filho de parto normal. infelizmente meu marido nao poderá esta presente na hora do parto e estou me sentindo mt insegura. me informei sobre as Doulas. eu nao sei se posso pagar uma porque nao sei quanto elas cobram, me ajude por favor. pedido de uma mae desesperada... estou sendo atendida pelo centro referencial da mulher em Piedade. o médico é mt educado, sorridente e tal mas isso nao me acalma... todas as consultas sao mega rapida e eu saio de lá sempre com a sensação de que tinha mais coisas a perguntar. Eles nao sabem onde vou ter meu bb, nem me informam sobre os benefícios do parto normal. eu quem corri atraz de me informa e estou vendo meus direitos. porém nao sei se posso recorrer a esses direitos pelo SUS.